Avançar para o conteúdo principal

O sonho da Miss Nova Orleães e uma bioética para o séc. XXI (1)

Conta-se que face à aspiração de certa Miss Nova Orleães por um seu filho com Einstein, pela expetativa dela de acrescentar à sua beleza a inteligência do cientista, este, prudentemente (ainda que confessando o apetite pela experiência!), lembrou a possibilidade da criança sair antes ao pai na beleza, e à mãe na inteligência.
A cautela percebe-se, pois, à época, a tecnologia de seleção artificial na evolução das espécies ainda não tinha progredido substancialmente desde a revolução neolítica. A saber, mediante a escolha dos animais reprodutores e de sementes, as técnicas de enxerto de plantas… estendidas ao transporte de sémen e à fecundação artificial. Todas essas técnicas facilitavam a transmissão de umas informações em detrimento de outras. Mas a informação disponível era sempre a que a natureza facultasse.
Hoje, 12.000 anos depois do início do Neolítico, uma nova revolução se afigura vir quebrar essa limitação. E uma revolução de outra natureza ainda se afigura vir enquadrar a anterior.
Os prémios Breakthrough e as NBIC.
Um sinal, e fator potenciador (!), da primeira destas duas revoluções em curso são os últimos dois prémios Breakthrough de ciências da vida.
Em novembro de 2014 (no prémio para 2015) foi distinguida a tecnologia CRISPR-Cas9, por ter tornado simples e económica a manipulação genética. Se bem a percebi (apesar de mal tentar pronunciar o seu nome) essa tecnologia é constituída pelo isolamento – ou fabricação laboratorial – de pequenos segmentos de ARN (molécula mensageira da informação do ADN) correspondentes aos genes que se vise (ex. os responsáveis pelo narigão do nosso Albert) no código de uma dada célula. Seguido da integração daqueles segmentos em enzimas Cas-9, juntamente com genes (agora os do lindo nariz da Miss) alternativos aos visados. Para, uma vez no núcleo celular, as enzimas cortarem os cromossomas nos locais de correspondência entre o ADN e o ARN, deixando nesse espaço os genes alternativos. (Uma boa ilustração encontra-se neste vídeo).
A propósito de genes alternativos, lembremos que, nesse mesmo ano, uma equipa do instituto Scripps (Califórnia) conseguiu que células com duas “letras” genéticas além das quatro naturais se reproduzissem. Aqueles genes alternativos já nem terão portanto de ser apenas naturais – talvez possamos copiar os dos habitantes do planeta Vulcano…
Esses avanços tecnocientíficos situam-se no campo “B” das atuais NBIC – nanotecnologias, biotecnologias, informática, e ciências cognitivas (neurociências, inteligência artificial, robótica). A eles se adicionarão entretanto todos os avanços que paralelamente vão acontecendo nos restantes campos.
E a soma começará a aproximar-nos, para aquém da ficção, de beldades que além de terem no seu ADN genes que lhes permitam tratar por “tu” a E=mc2, poderão ter, digamos, os genes de Justin Bieber e de Cristiano Ronaldo para as respetivas artes, outros que garantam poderes mentais de Mr. Spock… Além de que – segundo esperanças que os transhumanistas hoje têm por plausíveis – viverão durante vários séculos, podendo tornar-se em toda a sorte de cyborgs, para quem a reprodução sexuada poderá ser coisa do passado (com Einstein, não sei se gosto da ideia), etc.
Ou, pelo menos, aproxima-nos da sua possibilidade real.
Deixará esta de ser “humana”? Depende do que julgamos caraterizar o homem. Ora a obra pela qual neste último domingo (08/11/2015) Svante Paabo foi um dos agraciados com o prémio Breakthrough para as ciências da vida 2016 constitui precisamente um importante contributo para uma resposta genética a essa questão.
Concretamente, pela comparação entre ADN’s com dezenas de milhares de anos, provindos dos modernos humanos, de Neandertais, e de “primos” nossos já extintos. Porventura se isolará assim as condições genéticas do que chamamos “homem”.
A questão bioética e a pista da sensatez
Independentemente do êxito que possa vir a ter essa investigação no Instituto Max Planck para a Antropologia Evolucionista, a questão-chave porém é a seguinte: com o poder que estamos a conquistar mediante as NBIC, o que vamos fazer do homem?
Aliás, o que vamos fazer de novas espécies hominídeas? Para as quais o homo sapiens poderá vir a estar tal como o homo habilis está hoje para nós e para as restantes (entretanto extintas) espécies do género homo. Uma diversidade específica que há de ser proporcional à diferença do poder tecnocientífico e económico entre as comunidades de sapiens que por estes tempos deitem mãos a essa obra – i.e. uns serão os descendentes do sapiens americano, japonês, alemão… outro será o da África subsaariana (de pet a escravo, passando por rato-de-laboratório, viveiro de órgãos para transplante, etc., imagine-se os destinos que os primeiros darão ao segundo).
Em geral são possíveis três pistas de resposta a questões como essas:
De um lado, deve-se realizar tudo o que for tecnicamente possível. Este princípio decorre da chamada “conceção engenheiril” da técnica, a qual assume o homem essencialmente como homo faber. Ou como um demiurgo que enfim assume as rédeas da sua própria criação.
Do outro lado, devem-se respeitar os processos naturais, entre os quais o da evolução humana. Assume-se então a chamada “eco-ética”, seja reconhecendo um valor último à Natureza (panteísmos…), seja por julgá-la não como mero recurso do homem, mas como legado ao cuidado deste (Catolicismo…).
Mas o facto é que há muito o homem interveio na dita “natureza”. Desde a quase completa humanização da paisagem da ilha onde escrevo estas linhas, até à duplicação da esperança média de vida humana na Europa no último século e meio. A eco-ética pode apenas reportar-se a uma utopia orientadora, já não a um plano de objetivos a cumprir.
Essas intervenções todavia nunca deixam de gerar receios – ex. ainda nesta ilha, face ao cultivo de milhos transgénicos. Quando não geram logo resultados tão terríveis quanto fora antes pacífico o uso das suas causas – experimente o leitor googlar “talidomida”.
Daí que a pista sensata para respondermos à referida pergunta parece ser a intermédia àqueles dois extremos.
Enquanto porém apenas perspetivamos essa revolução das NBIC, temos de lidar hoje com uma outra revolução que parece estar em curso nos próprios alicerces de qualquer resposta ao que temos vindo a tratar.
in: Correio dos Açores, 11/11/2015

Comentários