Avançar para o conteúdo principal

Pela estufa, contra a Natureza

Resultado de imagem para adam smith concern with poverty
Habituei-me a ouvir e a ler que Adam Smith teria defendido que existe um mecanismo de autorregulação das relações entre os membros de qualquer comunidade, de tal modo que, se ninguém interferir nelas, as comunidades se organizarão espontaneamente pelo melhor. Seria a esse mecanismo que se referiria a metáfora da “mão invisível do mercado”. Chamando-se então “liberais” aos que acreditam na existência dessa “mão”, e “intenvencionistas” aos que não confiam nela. Até que li algumas passagens do próprio Adam Smith. E encontrei este professor de filosofia moral, na Glasgow de meados do séc. XVIII, a defender quase o contrário.
 Começando pela passagem onde afirma que, se produtores num determinado mercado (o das passagens aéreas, o dos serviços escolares, o dos cuidados médicos…) se encontrarem por acaso numa qualquer sala, passados vinte minutos estarão a “conspirar” (o termo é do autor) sobre como evitar a concorrência entre si, e como cada um poderá oferecer o mínimo e pior possível pelo maior preço possível à população fora dessa sala (v. A Riqueza das Nações, Livro I, Cap. 10).
Ou seja, segundo Adam Smith, aquilo que é espontâneo nas relações sociais em vista à obtenção de algo (dinheiro, destaque social…), é a tentativa de destruição do mercado. Se há alguma “mão invisível” neste uma vez deixado à natureza, é na forma de punho fechado, e no gesto de esmagamento.
 O que porém a história tem mostrado invariavelmente é que são muitos mais os perdedores, e bem mais grave é a perda, nas comunidades que se deixam capturar pela meia dúzia de “conspiradores” reunidos em tais salas – da URSS à atual Venezuela, passando pela distribuição da riqueza na economia salazarista, isso tem sido invariável.
A liberdade individual, e o bem comum consistente – isto é, que o preço do alívio imediato não seja uma longa desgraça a seguir – são pois quais frágeis, e quase artificiais, flores de estufa. Para as quais há que preparar a terra, semear, regá-las regularmente, mondar com persistência as ervas daninhas que sempre se dispõem a abafá-las… Numa oposição firme à natureza, que é intrinsecamente oligárquica, e como tal violenta, assim como globalmente ineficiente (apenas propícia aos cogumelos cujas competências são, não as de produzir, mas as de parasitar os restantes).
Seja por altruísmo de alguns agentes políticos (que a antropologia personalista admite, mas que a psicologia evolucionista sustenta não existir…), seja pela mera racionalidade que valoriza o pássaro na mão (a garantia de alguma liberdade pessoal) em detrimento de dois a voar (um eventual poder futuro sobre todos os restantes), seja por outra motivação qualquer, o facto histórico é que a civilização ocidental rasgou aquela natureza violenta e ineficiente ao criar o Estado acima de quaisquer pessoas. A estruturar, porém, de forma a evitar o mais possível a sua captura por interesses oligárquicos – em geral, esta forma tem sido a da separação dos órgãos que detêm os poderes legislativo, executivo e judicial, e a liberdade de expressão.
Numa palavra, o Estado constitui a estrutura de uma estufa, apenas dentro da qual a “mão invisível” se abre e, em alguma medida, vai ajeitando procuras e ofertas. Essa estrutura justifica-se na proporção em que é indispensável para se manter um mercado. O qual por sua vez, assim enquadrado, é a melhor garantia da liberdade individual possível.
Por se orientar por este último valor – desde a salvaguarda contra imposições religiosas, até condições para cada um criar o alimento e alojamento próprios – o movimento histórico pontuado por Adam Smith, antes dele por John Locke, depois por Tocqueville, etc., adotou o nome “liberalismo”.
Foi nesta tradição que aqui argumentei a favor da liberdade de cada pessoa em questões como a da eutanásia, ou do uso recreativo de drogas ligeiras (salvaguardando os restantes a liberdade de não suportarem os custos destas decisões individuais)…
 Que trouxe a esta coluna o contributo atual de José Octávio S. Van-Dúnem sobre o modo de combater a captura do Estado por interesses privados na corrupção. Ou clássicos como Fernando Pessoa a favor da globalização comercial, contra os “teoristas de sociedades impossíveis”…
Que, no respeito pelas gerações futuras, defendi o primado do equilíbrio das contas públicas. No respeito por quem tem poucas posses, julguei que a liberalização das rotas aéreas açorianas só pecou por muitíssimo tardia, e que falta ao menos discutir a das rotas inter-ilhas. No respeito pelas pessoas concretas, reconheci a importância primeira do poder local…
Em troca, não cheguei a criticar a atual obrigação dos descontos para a Previdência Social se dirigirem totalmente aos atuais pensionistas, e nem uma parte para o futuro de quem efetivamente os desconta – de forma que pudéssemos acautelar hoje a possibilidade de amanhã haver muito menos trabalhadores a descontar então para nós. Mas não, não temos liberdade de gerir pelo menos parte dos nossos descontos.
Não cheguei a criticar a obrigação das pessoas e famílias usarem os serviços que o Estado fornece em saúde ou educação. Em vez do Estado apenas as apoiar financeiramente em proporção às posses delas, mas deixando-as escolher a quem comprar esses serviços. Não, com um salário mediano seguramente bem abaixo dos oitocentos e tal euros médios, a maioria dos portugueses nem cheira essas liberdades.
E não tratei a má-fé dos decisores públicos fazerem isso mesmo com a ADSE mas apenas aos seus funcionários no Estado – para que estes sirvam aqueles caninamente? – enquanto aos trabalhadores privados, se não contarem com rendimentos mensais de uns quantos milhares, resta a obrigação de usarem precisamente os serviços do Estado que os funcionários do Estado podem enjeitar. Não, esta liberdade não é para a grande maioria dos portugueses comuns que entretanto sustenta o Estado.
Por tudo isso e mais, hoje em Portugal, nos Açores, quase tanto como no séc. XVIII contra os monopólios e protecionismos do sistema económico “mercantilista”, urge quem, como então Adam Smith (in Teoria dos Sentimentos Morais), se constituam procuradores dos pobres, e defensores da liberdade comum contra as explorações feitas por corporações que capturam os órgãos do Estado.
Dessa jardinagem em estufa, contra a selva natural, o leitor decidirá – liberalmente! – se e como participará. Pela minha pequeníssima parte, caber-me-á agora acompanhar interessada e criticamente as intervenções do novo partido liberal que, como apontei na crónica de abertura desta coluna, à época estava então em preparação. Mais as iniciativas no mesmo sentido de quaisquer outras organizações sociais e, pontualmente, de outros partidos políticos. Em particular, resta-me acompanhar o tratamento que Nuno Barata Almeida e Sousa aqui entender dar às questões que entender abordar. Mais eventualmente de quem me possa vir substituir nestas sextas-feiras, por certo com vantagem. Agradecendo a Osvaldo Cabral a oportunidade que me deu de participar, e à equipa do Diário dos Açores a colaboração, nesta Coluna Liberal.


in Diário dos Açores, 22/06/2018

Comentários